AkzoNobel busca startups e institutos de tecnologia para desafio global de inovação

As tintas da AkzoNobel já ajudam a limpar o ar, suportam o calor extremo, reduzem a perda, consumo de combustível e lidam até com as condições em Marte. Mas a empresa holandesa, que no Brasil é detentora de marcas como Coral, Sikkens e International, quer ir além: a companhia acaba de abrir inscrições para o desafio global "Paint the Future", cujo objetivo é criar oportunidades de negócios sustentáveis em colaboração com startups, scale-ups, institutos de pesquisas e empreendedores. A AkzoNobel quer combinar sua escala global, conhecimento e expertise com as soluções geniais de empresas em estágios iniciais e visionários, trazendo mais tecnologia e inovação ao universo de tintas e revestimentos.

Foto: Divulgação

Lançado em parceria com a KPMG, o desafio dará aos vencedores a chance de firmar um acordo com a companhia para o desenvolvimento colaborativo de um negócio sustentável. "Como uma empresa de tintas e revestimentos orientada por inovação e sustentabilidade, temos uma visão clara do que nossos clientes precisam e esperam do futuro, bem como muito conhecimento e recursos para compartilhar", afirma o presidente da AkzoNobel para a América do Sul, Daniel Geiger Campos.

O desafio está focado em cinco áreas: previsão de desempenho; aplicações inteligentes; soluções circulares; melhoria da funcionalidade; e infusão de ciência da vida. As inscrições podem ser feitas por meio da plataforma on-line até 1º de março de 2019. No site, é possível encontrar detalhes sobre os temas e o processo de cadastro dos projetos.

Especialistas da AkzoNobel selecionarão os finalistas para um evento em Amsterdã, entre 14 e 16 de maio, no qual serão revelados os vencedores. "Nossa abordagem colaborativa conectará os premiados com experts e recursos para ajudá-los a acelerar, testar, lançar e escalar suas iniciativas", finaliza Campos.

 

Relacionamento com comunidade indígena é um desafio, mas também oportunidade para construção de uma agenda positiva
Coopermiti comemora a marca de 2,5 mil toneladas de lixo eletrônico reciclados em 10 anos
Waste-to-Energy
São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018