CCEE indica queda de 1,8% no consumo de energia em setembro

O consumo de energia elétrica no país teve queda de 1,8%, na primeira quinzena de setembro, comparado com o mesmo período do ano passado. As duas primeiras semanas de setembro registraram consumo de 59.516 MWmédios no Sistema Interligado Nacional (SIN), montante de energia inferior 1,8% aos 60.633 MWmédios consumidos no mesmo período de 2017. Os dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). 

Foto: Página Sustentável

O Ambiente de Contratação Regulado – ACR (cativo), no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras (onde estão inseridos os consumidores residenciais, comerciais, industriais, rurais, serviços, iluminação pública e outros), apresentou queda de 3,8% no consumo, índice que leva em conta a migração de consumidores para o mercado livre na análise. Caso esse movimento dos agentes fosse desconsiderado, o consumo ainda registraria decréscimo de 2,8%.

No Ambiente de Contratação Livre (ACL), no qual as empresas compram energia diretamente dos fornecedores (com consumidores de atividade industrial, comercial e serviços), há registro de aumento no consumo em ambos os cenários. No que inclui as cargas oriundas do ACR na análise, o aumento seria de 2,9%, enquanto sem a migração, o índice seria 0,5% superior na comparação com 2017.

Dentre os ramos da indústria avaliados pela CCEE, incluindo dados de autoprodutores, varejistas, consumidores livres e especiais, o setor químico (+8,7%), de extração de minerais metálicos (+7,8%) e de minerais não-metálicos (+4,1%) foram os segmentos com maior aumento no consumo, quando a migração é desconsiderada. Por outro lado, os ramos de comércio (-7,2%), de transportes (-6,6%) e de serviços (-5,3%) apresentaram os maiores índices de retração no consumo dentro do mesmo cenário sem migração.

Aeroporto Salvador Bahia pretende economizar 2 milhões de m³ com sistema de reuso
FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável
Energia solar fotovoltaica ocupa sétima posição na matriz elétrica brasileira e ultrapassa nuclear
Setor sucroenergético impulsiona economia e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro