Geração das usinas a biomassa bate recorde em julho

As usinas movidas a biomassa geraram 4.755 MW médios em julho de 2018. O montante entregue ao Sistema Interligado Nacional (SIN) pelas 271 usinas em operação comercial é o maior da história. Comparado com julho de 2017, as plantas a biomassa registraram crescimento de 7,7%. Os dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE. 

A capacidade instalada das térmicas movidas a biomassa, ao final de julho, somava 12.720,8 MW frente aos 12.576,3 MW de capacidade existente um ano antes, ou seja, um pequeno crescimento de 1,1%. Tal informação confirma que o desempenho recorde das usinas do sistema, durante o mês de julho, é fruto da maior produtividade.

As dez maiores gerações mensais das usinas a biomassa (MW médios)

O aumento da produção está relacionado com o bom aproveitamento do bagaço de cana de açúcar. Pela primeira vez na história, as usinas geraram mais de 4 mil MW médios com a matéria prima (4.121,2 MW médios). Outro recurso que se destacou em julho de 2018 foi o licor negro, que contribuiu com a geração de 440,5 MW médios.

Geração por Estado

A produção de energia do Mato Grosso do Sul, que alcançou 801, 7 MW médios em julho de 2018, é o grande destaque com aumento de 35,3% quando comparado com o mesmo período do ano passado. A análise indica ainda que São Paulo segue como maior produtor de energia proveniente da queima da biomassa no país com 2.243,6 MW médios de energia entregues. Minas Gerais com 582,0 MW médios, Goiás com 529,0 MW médios e o Paraná com 289,1 completam a lista dos maiores produtores em julho.

Os dados consolidados da CCEE, em julho, apontam São Paulo com a maior capacidade instalada, somando 5.333,3 MW. Em seguida aparecem Mato Grosso do Sul (1.904,8 MW), Minas Gerais (1.326,0 MW), Goiás (1.084,5 MW) e o Paraná com 726,3 MW de capacidade.

Novo estudo aponta a influência da mudança do clima causada pelo homem sobre eventos extremos
Brasil é campeão mundial na reciclagem de latinhas
ANA vai reajustar valor pelo uso da água em 2019
Taxa global do carbono pode oferecer novas soluções para ação climática