Novos mecanismos pelo uso de recursos hídricos entram em vigor a partir de janeiro

O Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) aprovou, no último dia 16, a atualização dos valores da cobrança em águas de domínio da União nas bacias dos rios Piracicaba, Capivari, Jundiaí, Paraíba do Sul e Doce. Entram em vigor a partir de 1º de janeiro de 2019 os novos valores e mecanismos de cobrança, para os setores de saneamento, agropecuária, indústria, termelétricas e mineração.

Esse instrumento de gestão, instituído pela Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH), tem o objetivo de dar ao usuário uma indicação do real valor da água; incentivar o uso racional; e obter recursos financeiros para recuperação das bacias hidrográficas do país. A cobrança não é um imposto, mas uma remuneração pelo uso de um bem público, cujo preço é fixado a partir da participação dos usuários da água, da sociedade civil e do poder público no âmbito dos Comitês de Bacia Hidrográfica – CBHs, a quem a legislação brasileira estabelece a competência de sugerir ao respectivo Conselho de Recursos Hídricos os mecanismos e valores de cobrança a serem adotados na sua área de atuação.

Foto: divulgação

A cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio da União nas Bacias PCJ foi iniciada em janeiro de 2006. Para captação de água bruta, o valor vigente de 0,0127 R$/m3 passará a ser de 0,0137 R$/m3 em 2019; o de consumo de água, de 0,0255 R$/m3 para 0,0274 R$/m3; para lançamento de efluentes, de 0,1274 R$/kg, para 0,1371 R$/kg. Já para a transposição de bacia, os atuais 0,0191 R$/m³, passarão a ser de 0,0206 R$/m³. Os valores de 2019 são estimativas pois dependem da apuração da variação do IPCA/IBGE de novembro de 2016 a outubro de 2018.

Na bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul, a cobrança teve início em março de 2003. Para a captação de água bruta, o valor vigente de 0,0109 R$/m³ passará a ser de 0,0218 R$/m³; o consumo da água bruta, de 0,0218 R$/m³, para 0,0436 R$/m³. Para o lançamento de carga orgânica – DBO 5-20 - o valor atual é de 0,0763 R$/kg e será de 0,1526 R$/kg no ano de 2021, com valores intermediários em 2019 e 2020.

As empresas começaram a pagar pelo uso de recursos hídricos na bacia do rio Doce em novembro de 2011. Para a captação da água superficial o preço público passou de 0,030 R$/m³ para 0,0336 R$/m³; para o lançamento de carga orgânica, o valor de 0,160 R$/kg passou a ser de 0,1790 R$/kg; e para a transposição, 0,040 R$/m³, para 0,0448. Nessas bacias, os preços serão corrigidos anualmente pela variação do IPCA/IBGE. 

A cobrança pelo uso de recursos hídricos em águas de domínio da União também já foi implementada nas bacias dos rios São Francisco, rio Paranaíba e na bacia do rio Verde Grande.

Votorantim Cimentos aprimora matriz energética com resíduos urbanos
Lixões liberam 6 milhões de toneladas de gases de efeito estufa ao ano
Abetre apresenta cartilha com alternativas para gerenciamento de resíduos
Vendas explosivas da Tesla na Noruega fazem Mercedes viver seu momento Kodak