Demanda nacional apresenta retração de 0,4%

Entre as regiões, o resultado negativo do Sudeste (-2,7%) puxou o desempenho do país e o  maior avanço no consumo de energia elétrica no mês foi na região Norte (+6,1%) - sobretudo em função da retomada gradual da metalurgia paraense, setor eletrointensivo. De acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Centro-Oeste (+2,1%) e Nordeste (+2,4%) também exibiram resultados positivos em julho.

Foto: Página Sustentável

Em relação às principais classes de consumo, apesar dos progressos de 1,2% nas residências e de 2,5% no comércio e serviços, o declínio de 3,2% na classe industrial foi determinante para o resultado do consumo do país. Dos segmentos industriais, as maiores quedas foram no ramos químico (-13,0%) e de extração de minerais metálicos  (-11,1).

No recorte cativo e livre, enquanto o mercado cativo caiu 0,9% em julho, o consumo de energia elétrica do mercado livre progrediu 0,4% no mês.

Ouça o podcast de agosto com Lena Santini Souza Menezes Loureiros, analista de Pesquisa Energética da Superintendência de Estudos Econômicos e Energéticos.

Bike Itaú incentiva economia de CO2 na semana da mobilidade
Empreendedores investem em placas fotovoltaicas para reduzir custos com energia elétrica
Veracel usa bagaço de cana como alternativa para gerar energia
Renner utiliza energia solar para abastecimento de lojas